Blog

Um pouquinho sobre “Verdade”.

Publicado em 18 de março de 2015 por Adel Sontav

Vamos a mais um breve momento de troca de ideias. Afinal, estamos aqui pra isso não?

Tu, criatura jovial que deseja se estabelecer neste mercado. É, você aí que gastou sabe lá quantas doletas em material de desenho no Ebay e tá aí com o controle do XBox na mão, é você mesmo.

Larga esse Toddynho e vem aqui.

Você já parou pra pensar o quão verdadeiro está sendo consigo mesmo?

duh

Sério. Pensa um pouco ali fora e volta aqui.

Eu posso estar louco, na verdade tô mesmo. Mas, vamos bater um papinho sobre o motivo de todas as coisas, o motivo que te faz acordar todos os dias, colocar esse maldito boné de aba reta e sair atirando mil mensagens perguntando sobre “que tipo de brush usa huehe” que não só eu, como muitos outros colegas recebem. Que acha boring ter que estudar com afinco todos os Fundamentals e diz que “é coisa de velho, o negócio é fazer uns speedpaint da hora.”

Vamos ter um papinho sobre sinceridade. Não comigo, você não me deve nada – mas aceito dinheiro se quiser. Tô falando de sinceridade com você mesmo.

Existe um conceito chamado “Verdade”. É, tô colocando com “V” grandão assim ó. Um ponto essencial pro equilíbrio de muita coisa no universo. É a verdade, ou a falta dela, que faz com que muita coisa flua pro mal ou para o bem. Nas palavras de Wing Chueng Chuan Shyu em seu livro “Twai Chi Tzuen – A verdade”:

“A presença da verdade é como o correr das límpidas águas de uma nascente que se ramifica gerando vida ao seu redor…
… E a falta dela é a maldita bola de neve peluda que vem descendo lá da putaquepariu e vai te lamber da face da Terra em todos os multiversos possíveis.”

Gotcha =x

Já parou pra pensar no porquê de você estar fazendo as coisas? No quão sincero é o seu esforço para alcançar os seus objetivos? Já percebeu que os milhões de tutoriais na internet, os trocentos amigos artistas no Facebook e o seu mega estojo de 560 mil cores da Copic não vão te levar a lugar nenhum? Não porque eles não tenham sua serventia, mas porque quem se move é tu, tatu.

O que me deixa puto da cara é essa molecada que “se esforça” em primeiras tentativas, não passam nem do primeiro round, e batem no peito gritando em vozes púbicas que se esforçaram.

Que na primeira crítica negativa se tornam “fucking black knights passivo-agressivos”, choramingando e atacando gente que tá dedicando um tempinho de suas vidas pra tentar ajudar em alguma coisa. Que sabota o colega do lado só porque a dor de cotovelo já virou um câncer em metástase etérea.

Gente com a quilometragem de um velocípede. Querendo achar atalho como se a vida fosse um speedrun. Que pula de galho em galho toda vez que a zona de conforto tá ameaçada, buscando tapinhas nas costas e likes “da galere”.

Eu vou contar um segredinho. Esquece esse negócio de sonho. Da mesma forma que muito tubarão de mercado cata ilustrador desiludido com sonho pra fazer o cara trabalhar por amendoim cuspido, muito aspirante cria um escudo blindado lúdico em cima do que faz e acaba criando um filho mimado, um talento na forma de monstro em busca de aprovação “me ame plox“.

Sonho é coisa de filme da Xuxa. Ou da Carla Perez…

Tenha metas.

Intenção por si só não gera nada. Intenção + Ação gera movimento. A-ha. Soou como um personal trainer agora.

Então vamos voltar ponto todo que é a Verdade. Como você espera convencer o mundo através da tua arte se dentro de você só existe auto sabotagem? Quando você sabe (e SIM, você SABE) que não está dedicando o seu máximo naquilo que para outros faz questão parecer alguém esforçado? Quantas vezes por dia você “deixa pra depois” ou desiste no meio do desafio e faz perguntas para as quais já sabe a resposta, só pra enrolar teu cérebro achando que o fato de perguntar faz parecer que você está agindo?

Eu não conheço um ilustrador que consegue viver do que faz hoje sem ter comido o pão que o diabo amassou, comeu, cagou, bebeu caninha Pedra 90 e vomitou. É super bacana viver do que se gosta, mas o enrabamento inerente ao processo é um fato.

Hoje tá bem mais fácil ter acesso as coisas, aproveite isso, falo de verdade. Mas não pense que isso torna o caminho da carreira mais curto.

Exemplos práticos da nossa realidade. Veja o Smaug. Virou o Tio Patinhas, e sabia todos os babados da Terra Média pelo Twitter, mas ficou que nem bosta de bêbado largado sem fazer nada, só no Netflix. Bastou um clone do Orlando Bloom com um palito Gina gigante pra fazer nugget de dragão.
cumberdeath
Se cada fonte de conhecimento não gera ação em você, tem algo errado. Simples assim. Conhecimento leva a prática, pratica leva ao conhecimento e assim temos…O CICLO! \o/

Comentários

comentário(s)